A Escola Municipal Professora Leonara Schmitz, localizada no bairro do Gravatá, inaugurou sua sala de informática no último dia 05 (quinta-feira), com a doação de 25 computadores oriundos do Projeto Inclusão Digital, do Instituto Portonave de Responsabilidade Social.

Essa unidade escolar contempla 580 estudantes matriculados, do 1º ao 9º ano. Na entrega dos computadores, foi realizada cerimônia com a presença de alunos do 1º ano do ensino fundamental, voluntários do Instituto Portonave e representantes da comunidade escolar e da prefeitura.

A escolha das escolas tem sido definida em comum acordo com a Secretaria Municipal de Educação, conforme a necessidade das escolas e a estrutura para receber o projeto. Além da escola Leonora Schmitz, o Projeto Inclusão Digital já abrangeu outras cinco unidades municipais de ensino, sendo elas a Professora Verginia Guedes Lemos; Profª Maria Regina Gazaniga da Costa; Profª Giovana Soares da Cunha; Profª Irene Romão; CEU das Artes), uma estadual (Adelaide Konder) e o Instituto Sou o que Sou, que realiza trabalho social na cidade. De 2016 pra cá, foram 110 computadores doados.

Inclusão social

Para Osmari de Castilho Ribas, diretor-superintendente administrativo da Portonave e presidente do Instituto Portonave de Responsabilidade Social, o computador é um “importante instrumento de inclusão social, não sendo mais concebível o processo de educação, de profissionalização e de exercício da cidadania sem o acesso à informática, aos ambientes digitais”. “Acreditamos e defendemos a importância de que as crianças e adolescentes possam fazer bom uso dessas ferramentas, com foco no seu futuro e no desenvolvimento da comunidade em que estão inseridas”, completou Castilho.

O projeto

O Projeto Inclusão Digital, criado para atender as escolas da cidade, consiste na implantação de centros de informática em escolas públicas que não dispõe de computadores. O número de computadores doados varia de acordo com a quantidade de estudantes da instituição de ensino e conforme a estrutura física do local. Além da doação, quando necessário, o Instituto Portonave também adequa a infraestrutura dos espaços disponíveis, como a estrutura elétrica, móveis, etc.

Troca frequente

Conforme explica Castilho, a troca de computadores é muito frequente na Portonave, pois a operação do terminal exige o uso de sistemas complexos, portanto há uma permuta por versões mais modernas. Antigamente, as máquinas eram revendidas às fábricas, mas agora passam por formatação e manutenção para serem entregues às escolas.

DEIXE UMA RESPOSTA