Na manhã de terça-feira (06), em Navegantes, a Polícia Civil realizou uma grande mobilização envolvendo centenas de agentes do estado, resultando na prisão de mais de 30 pessoas, além de apreensão de drogas, armas e dinheiro. A ação faz parte da nova fase da Operação Rigor, iniciada em janeiro.

Sob comando do delegado Rodrigo Coronha, da Delegacia de Polícia Civil de Navegantes, 160 policiais civis navegantinos, de Itajaí, Balneário Camboriú, Brusque, Blumenau, Jaraguá do Sul e Joinville, divididos em 58 viaturas, cumpriram 56 mandados de prisão e 76 de busca e apreensão, em basicamente todos os bairros do município, resultando na prisão de mais de 30 suspeitos, apreensão de dois menores de idade por tráfico de drogas e um auto de prisão em flagrante por posse de arma escopeta calibre .20. Durante a operação, também foram apreendidos 13 torrões de maconha, seis porções de cocaína (totalizando 18 gramas), 24 comprimidos de ecstasy, 36 aparelhos celulares, uma escopeta calibre .12 e R$ 3.431,00 em espécie.

Alguns suspeitos não foram encontrados durante as diligências, mas os mandados continuam em aberto, com equipes policiais ainda nas ruas em busca dos foragidos. Segundo o delegado Coronha, “também localizamos cinco envelopes contendo cartas com recados de dentro do sistema prisional de membros dessa facção criminosa [Primeiro Grupo Catarinense – PGC], além de cadernos com anotações da movimentação contábil do tráfico de drogas”.

O que é?

A Operação Rigor nasceu no início do de 2018 após a morte de Henrique Felipe da Silva, de 23 anos, conhecido pela alcunha de Mineiro Matador, morto durante confronto com a Polícia Militar, no bairro São Paulo, no dia 19 de janeiro. Ele fazia parte da facção criminosa Primeiro Grupo Catarinense e foi identificado como o autor de dois assassinatos, sendo uma das vítimas Marcelo William dos Santos, de 19 anos, cujo corpo foi encontrado dentro de uma máquina de lavar. Matador tinha como função executar as sentenças de morte decretadas pelo PGC. Segundo a investigação, Mineiro estaria ligado a pelo menos 10 crimes.

Apreensões

Na casa de Mineiro, em janeiro, foram apreendidos rádios comunicadores, pistola, munições, celular, droga, dinheiro e uma moto. Entre o material apreendido, foi encontrado um vídeo de uma execução, compartilhada via WhatsApp. Analisando contatos e mensagens do celular do membro do PGC, os policiais conseguiram identificar outros suspeitos.

Elucidar crimes

Até o momento, as investigações já identificaram outros 77 suspeitos pertencentes à facção criminosa. Até dia 21 de julho, 21 deles já se encontravam recolhidos em presídios de Florianópolis, Joinville e Itajaí. A operação tinha como objetivo elucidar 15 assassinatos que aconteceram entre outubro de 2017 e janeiro de 2018 com envolvimentos de integrantes da quadrilha, e coibir o tráfico de drogas, entre outros crimes.

DEIXE UMA RESPOSTA