Está confirmada para as 19h de hoje, terça-feira (23), a realização de sessão extraordinária na Câmara Municipal de Navegantes para a segunda votação do Projeto de Lei Complementar nº 01/2018, de autoria do Poder Executivo Municipal, que institui o Plano Diretor de Desenvolvimento Sustentável de Navegantes. O projeto está envolto em inúmeras irregularidades e obscuridades. Desde o início, no governo passado, a empresa responsável pelo texto que será deliberado pelos vereadores, fora contratada apenas para revisar o código vigente, e não para fazer um novo Plano Diretor, contudo, esta é apenas uma das ilicitudes, porque o texto fora alterado, propostas que não haviam passado pelo colegiado formado para redigir o projeto, por representarem até mesmo riscos para o meio ambiente, foram inclusas a revelia, nos porões da Prefeitura de Navegantes, provavelmente por servidores públicos, esses cooptados por donos de construtoras e empresários da construção civil, supostamente por meio da distribuição de propinas e benefícios ilegais.

Diante de tantas incongruências e na evidência do cometimento de uma fraude na formulação final do Plano Diretor, o Ministério Público de Santa Catarina chamou os vereadores para diversas reuniões e, na semana passada ficou estabelecido entre os parlamentares e o promotor Marcio Gay Veiga, que seria convocada sessão extraordinária para a data de hoje, quando o projeto será rejeitado no plenário do Legislativo.

O comentarista de política de O Navegantes, jornalista Renato Sandrini, na coluna Pedra no Sapato, relatou diversas vezes, com exclusividade, as irregularidades cometidas, inclusive na edição 357, de sexta-feira (19). “Resta saber se a investigação conseguirá atingir os corruptos, servidores cooptados por meio de vantagens ilegais, mas também se faz necessário elucidar quem está por trás de tudo isto, os corruptores, empresários da construção civil que conduziram este crime pelos últimos três anos, impondo um custo altíssimo para a municipalidade, que pagou uma verdadeira fortuna para a confecção do novo Plano Diretor, fora o atraso que isto representará para a cidade e sua economia”, declarou Sandrini.

Na próxima edição de O Navegantes, na sexta-feira (26), será publicada matéria completa sobre o imbróglio envolvendo o projeto de lei e suas ilegalidades, citando inclusive o nome de algumas empresas.

 

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA