O Ministério Público do Estado de Santa Catarina, o Procon e a Celesc vêm recebendo uma enxurrada de reclamações nas últimas semanas por conta das faturas de energia elétrica referentes ao mês de janeiro. Os órgãos de defesa do consumidor e o MP estão prevendo medidas para apurar a situação com a máxima urgência. Juntos, eles irão reunir os dez casos de maior aumento na conta de luz em cada região do estado para checar se houve erro na cobrança pela concessionária. A decisão veio em reunião na última segunda-feira (28), em Florianópolis.

O promotor de justiça Eduardo Paladino instaurou um inquérito civil, que abrange todo o estado, para investigar os motivos do aumento excessivo nas faturas de janeiro. Ele afirma que “em anos de atuação como promotor de Defesa do Consumidor, é a primeira vez que me deparo com tantas reclamações dessa natureza”. Fiscais do Procon estadual, do Fórum de Procons de Santa Catarina e da Associação de Consumidores do Estado de Santa Catarina (ACESC) farão o trabalho de selecionar 10 residências de cada região do estado a terem seu consumo checado. Na próxima quinta-feira (07), haverá outra reunião, agora com a presença de representantes da Celesc, para tratar do assunto.

Muitas reclamações

Segundo Pedro Paulo Molleri, gerente administrativo financeiro da Regional de Itajaí da Celesc, o volume de reclamações aumentou consideravelmente e hoje 60% dos atendimentos presenciais e pelo telefone do serviço de atendimento ao consumidor são sobre o aumento das contas de luz. A coordenadora do Procon de Navegantes Janice Freygang (Kika) afirma ter elevado o número de reclamações acerca do assunto, com uma média de cinco a oito queixas por dia no órgão.

Como proceder?

A orientação é que as reclamações sejam feitas diretamente na Celesc. Ela pode ser realizada pelo telefone 0800 48 0120. Após o registro na concessionária, aí se recomenda procurar o Procon.

Berreiro

Nas redes sociais há muitas reclamações sobre a cobrança excessiva nas contas de luz. Um casal do bairro Centro, por exemplo, afirma não ter recebido visitas em sua casa durante o período contabilizado na fatura e utilizam o chuveiro desligado (frio). Durante sete dias, ainda, sequer puderam ligar o chuveiro pela falta de água na residência.  Apesar de o consumo ter aumentado pouco, a conta aumentou o valor em 110% em comparação a dezembro.

Comércio

No bairro Gravatá, um comerciante que prefere não se identificar, disse que o salto na fatura de dezembro para janeiro é sempre esperado, mas o aumento excessivo lhe espantou. No último mês de 2018 sua conta registrou R$ 12.733,93 contra R$ 16.368,10 do primeiro mês de 2019.

Nega o aumento

A Celesc, no entanto, afirma que não houve aumento da conta de luz, mas sim do consumo, que se deu pelo calor proveniente das altas temperaturas.

DEIXE UMA RESPOSTA