Neste sábado (20), o Centro Epidemiológico de Testagem e Aconselhamento (Ceta) ficará de portas abertas das 8h às 16h por conta do Dia Nacional de Combate à Sífilis. Na oportunidade, serão oferecidos à população testes rápidos de sífilis, HIV e hepatites B e C. Aqueles que forem diagnosticados com uma ou mais doenças, terão acompanhamento na rede municipal. A Secretaria de Saúde ressalta que o sigilo é garantido.

O Dia Nacional de Combate à Sífilis foi posto no calendário do Ministério da Saúde (MS) após aprovação de Lei Federal em abril de 2017 e foi fixado sempre no terceiro sábado de outubro a cada ano. Os casos da doença no Brasil são altos e tiveram aumento no último boletim epidemiológico divulgado pelo MS, em outubro de 2017. De 2015 para 2016, houve aumento de 27,9% em pessoas infectadas. Já entre as gestantes esse número subiu 14,7%, enquanto as infecções por sífilis congênita (transmitida de mãe para o bebê) escalou 4,7%.

As chances de sucesso no tratamento são maiores quando a doença é descoberta mais cedo, por isso trabalha-se com a necessidade do diagnóstico precoce, com a realização de exames de forma periódica, ao menos uma vez por ano.

Epidemia

Em 2016, houve uma epidemia da doença no país, parte creditada ao aumento de diagnósticos com a distribuição de testes rápidos e também pelo desabastecimento nas unidades de saúde de penicilina, hoje o medicamento mais eficiente contra a enfermidade.

O contágio

A transmissão da doença se dá principalmente por meio de relações sexuais, assim como por transfusão de sangue ou contato direto com sangue contaminado. No caso da sífilis congênita, a transmissão ocorre via vertical da gestante para o filho. Esta é uma das formas mais graves, podendo causar má formação no feto. Efeitos ainda incluem alterações ósseas, surdez neurológica, dificuldades no aprendizado e retardo mental.

A profilaxia

A prevenção pode ser feita pelo uso correto e regular de camisinha (feminina ou masculina) nas relações sexuais. É importante também realizar o acompanhamento das gestantes e parcerias sexuais durante o pré-natal, o que pode evitar a sífilis congênita, já que a identificação e tratamento adequado ainda no primeiro trimestre de gestação impedem a transmissão da doença da mãe para o bebê.

Os números

Entre 2010 e 2016, a sífilis adquirida viu sua taxa de detecção pular de 2 para 42,5 casos a cada 100 mil habitantes. A incidência de sífilis congênita e a taxa de detecção da doença em gestantes aumentou aproximadamente três vezes, passando de 2,4 para 6,8 por mil nascidos vivos no primeiro caso, e de 3,5 para 12,4 casos por cada mil nascidos vivos no segundo.

Onde é?

O Ceta fica localizado na avenida Santos Dumont, 445, Centro.

DEIXE UMA RESPOSTA