Cadê o chefe?

A greve do funcionalismo público deflagrada novamente esta semana, a segunda em dois anos desse terceiro governo Roberto Carlos de Souza e Emílio Vieira (PSDB), é fruto do descaso e imaturidade com que a cidade vem sendo administrada. O prefeito, já estou rouco de repetir, tem mais inimigos do que amigos no primeiro escalão de governo. Foi o ex-alcaide e não ele quem indicou as pessoas para postos chave da administração, inclusive na Procuradoria, onde a titular, em minha humilde opinião, está mais sensibilizada com os processos a cargo do escritório de seu marido, como a defesa de membros da banda podre do paço municipal ou demandas envolvendo usucapião, do que com o dia a dia da prefa.

Corte na carne

Não há como negar que todas as prefeituras, não só a de Navegantes, estão falidas. Consequentemente, ceder às reivindicações do movimento grevista de servidores significa, em curto prazo, inviabilizar a administração que já está no limite da margem prudencial para gastos com pessoal. Acontece que haveria medidas simples, bastasse boa vontade no paço. Se Emílio cortasse as subprefeituras, cargo que não tem nenhuma serventia, senão garantir uma gorda teta para apadrinhados políticos, já poderia remanejar a fortuna gasta com essa função para o quadro de funcionários. Seria possível também, cortar a famigerada VPNI, que só beneficia aos amigos do rei. Como se pode ver, soluções existem, mas o que falta é vontade e/ou vergonha na cara.

É muito sério

Nesta semana, mais uma vez despencou o teto de uma escola. Via de regra, há uma única empresa que ganha todos os serviços desta natureza, ela é a sucessora da Policons. As mesmas pessoas que roubaram no passado, hoje administram e são sócios ocultos de uma empreiteira que faz reforma e manutenção em escolas, deixando que o teto desabe sobre as nossas crianças. É dinheiro público escorrendo pelo ralo da corrupção, do tipo que mata, pois são dois episódios idênticos em poucos dias. Professores da rede municipal, além de bons salários, merecem condições dignas de trabalho, pois não é possível laborar diariamente, sem saber em qual momento o teto irá despencar sobre a sua cabeça.

Acabou antes do tempo

O governo está esfacelado, cambaleante, havendo enorme lapso de poder, pois a banda podre é quem dá as cartas na prefeitura. Essa turma rouba, paralisa o andamento de questões importantes para a cidade e assiste ao prefeito sangrar no cargo, sem saber para que lado correr, porque perdeu a legitimidade, não tem força e coragem para encarar seus algozes, ou pior, possui o rabo preso com esta gente. A estratégia é sepultar esse terceiro governo Roberto/Emílio para, nas urnas em 2020, apresentarem o salvador da pátria. É o mesmo que o cidadão lhe dar uma facada nas costas, mas depois se oferecer para suturar o corte. A palavra de ordem na política dengo-dengo no próximo ano, em meu entendimento, deve ser renovação.

Velhas caras

No mínimo quatro ex-prefeitos estarão operando, direta ou indiretamente, nas eleições de 2020. Um ou dois podem ser candidatos e os outros, provavelmente irão atuar nos bastidores. Dessas figuras, todas deram sua contribuição para a cidade, mas também ficaram devendo, e muito. Daí a necessidade de renovação, de se dar chance para quem ainda não esteve no comando do paço, ou melhor, deve-se dar a oportunidade para quem nunca se envolveu em política, pois assim garante-se a obrigatória regeneração. Resta saber se o eleitorado irá votar pelo novo e honesto, ou optará pela velha política, deixando que a banda podre permaneça roubando na prefeitura e matando a esperança de dias melhores para a nossa cidade.

Precisa mudar

Conversando esta semana com passarinho que faz morada no paço municipal, ele me perguntou o que faz o Observatório Social em Navegantes, que até agora não fez ao menos uma denúncia de corrupção, sendo que há desvio em todas as áreas da prefeitura, não na compra, mas sim na entrega dos produtos. Sequer estão atentos ao fato de o prefeito estar emprestando funcionários da administração direta para uma autarquia, em total e absoluto desrespeito às leis. Confesso que acredito cegamente nas boas intenções do Observatório, mas estou certo de que os métodos de atuação é que precisam ser revistos. Faz-se necessário fiscalizar, diuturnamente, a entrega de tudo o que é comprado pela administração pública, se assim o fizerem, pegarão pelo rabo os ratos escondidos dentro do governo.

Meu lado mulher

No quartel aprendi um ditado, machista, que diz ser a curiosidade, dom feminino. Enquanto caço as letras e espanco o teclado para dedilhar esta coluna, sinto a pulga atrás de minha orelha dominar meus pensamentos e alagar meu cérebro com uma curiosidade sobre-humana. É que na próxima semana, a Comissão Especial de Inquérito que investiga a fraude do Plano Diretor em Navegantes irá ouvir o cidadão que coordenou todo o processo, o ex-secretário Cassiano Ricardo Weiss. Ele está afastado de suas funções, sem poder entrar na prefeitura, por ordem judicial, porque está envolvido no processo que apura a máfia dos alvarás. Quero ver como irá se manifestar o presidente da CEI, vereador Paulo Rodrigo Melzi (PSD), que possui ligação umbilical com o chefe oculto e obscuro de Cassiano.

<>SOBE<>

Navegantes terá, em sessenta dias, um cartório eleitoral para chamar de seu. Reivindicação antiga da comunidade que não precisará mais atravessar o rio

<>DESCE<>

Servidores fizeram passeata quinta-feira (14) gritando “Fora Emílio”, em inequívoca demonstração da insatisfação de como a cidade vem sendo administrada

DEIXE UMA RESPOSTA