A culpa é de quem?

Um cidadão dissimulado, defensor confesso do ex-prefeito Roberto Carlos de Souza, utilizou redes sociais entre Natal e Réveillon para descascar Emílio Vieira (PSDB) e chamar o capilarmente desafortunado prefeito de incompetente. A motivação fora a falta de água verificada quando moradores, turistas e veranistas ocupavam praticamente todos os imóveis da cidade. Não estou aqui defendendo o chefe do Executivo, mas o seguidor de Bob Esponja deveria tomar vergonha na cara e reconhecer que Navegantes não capta, trata, armazena e distribui sua própria água porque, conforme a Operação Lava Jato, o governo passado se envolveu em falcatruas quando decidiu conceder o serviço para a iniciativa privada, fato ora investigado pelo Ministério Público do Estado de Santa Catarina.

Cadeia neles!
Segundo delação de um ex-executivo da Odebrecht, Roberto Carlos teria recebido R$ 500 mil para favorecer a empreiteira durante o processo de privatização do sistema de água. O alemão das compras, sujeito mais ordinário que já pisou em Navegantes, foi quem cuidou de dois editais, duas licitações que iriam formalizar o golpe, digo, a concessão. A Justiça encontrou irregularidades e suspeita de favorecimento em ambas as tentativas, por isto anulou as concorrências. Inclusive, a mesma pessoa, o germano corrupto, atuou no certame do transporte público que também fora cancelado por irregularidades, comprovando a safadeza dessa turma, a nata na banda podre da gestão passada. Em um país sério, esta verdadeira quadrilha já estaria presa, fazendo companhia para o ex-vereador Paulo Ney Laurentino.

Memórias reavivadas

Me pego a repetir tal história, porque muita gente esquece que se o líquido precioso não jorra nas torneiras dengo-dengosas atualmente, por certo a responsabilidade também é de Emílio Vieira, eleito fora para resolver o problema. Mas o cidadão servir de papagaio de pirata de Roberto Carlos de Souza e por essa motivação desejar apagar parcela de culpa do ex-prefeito pela falta de água, trata-se de injustiça, fruto do oportunismo político eleitoreiro. Em breve todo o aqui relatado será trazido à luz, posso garantir. Para finalizar, justiça só se faz neste caso dividindo responsabilidades com o Semasa, que cobra valor altíssimo por um serviço, em minha opinião, porco e incompetente, da pior qualidade. Trabalhei no órgão itajaiense, desse contrato só querem o bônus, nunca o ônus.

Não teve quórum

A primeira sessão na Câmara Municipal em 2019, que ocorreria em caráter extraordinário, não aconteceu em função de alguns vereadores não comparecerem. No início da reunião, registrara presença o presidente em exercício Cirino Adolfo Cabral Neto (MDB) e os vereadores Samuel Paganelli (PSDB) e José dos Santos (PSD). Estavam em plenário, mas se retiraram para que não houvesse sessão, Alício Jacob Ricobom Filho (PSD), Paulo Rodrigo Melzi (PSD) e Jassanan Ramos (MDB). O presidente Valmir Cesar Francisco (PSDB) está afastado por problemas de saúde e Murilo Cordeiro (PT) compareceu, mas sequer assinou presença. Sebastião Alves da Silva (PSDB) está em licença, reassumira a Secretaria de Obras e o suplente ainda não fora empossado. Por fim, Jefferson Macarini (PSDB) não deu as caras. Pode estar lá em Brusque, ainda no lixão da Recicle, procurando a cédula com a qual confirmará ter votado com a situação na eleição da mesa diretora.

Oposição burra

Para realização da extraordinária, quando seria votado projeto importante para o funcionalismo público, fazia-se necessária a presença de seis vereadores, contudo, no momento da comprovação de quórum, estavam apenas três. Para se vingar do prefeito, estão atingindo os servidores municipais e por consequência a população, o que é terrivelmente constrangedor. O objetivo da oposição, se é que atualmente exista tal distinção no Legislativo que virou um balaio de gato – muito em razão da falta de articulação e tato político de Emílio, é impedir que o governo trabalhe. A Câmara consome verdadeira fortuna em recursos públicos anualmente, sendo inexplicável os vereadores revoltosos cobrarem do povo suas frustrações com o alcaide.

Suicídio partidário

Segundo passarinho relatara a este néscio e relaxado caça letras, o diretor do Sinergia Sistema de Ensino e filho do ex-deputado João Matos, Joãozinho Matos – figura extraordinária, estaria de mudança do MDB para o PSD, sigla na qual chegaria já assumindo o cargo de presidente do diretório municipal. Outro pássaro informara que Roberto Carlos de Souza também teria feito tratativas para filiar-se à sigla, sendo esta suposta articulação conduzida em nível estadual com o deputado Darci de Matos (PSD). Ouvi falar em planos para 2020, percebi a pronúncia repetida do termo nova política, da construção de uma Navegantes diferente e coisa e tal. Mas vamos se respeitar, com Bob (Esponja) Carlos, o que a turma pessedista vai fazer é passar vergonha nas urnas, se elegível ele estiver. Acho que Joãozinho não embarcaria nesta canoa furada.

<>SOBE<>

O período festivo de fim de ano trouxera a Navegantes um público em número satisfatório e a praia foi tomada, comprovando que a cidade é a bola da vez

<> DESCE<>

A situação do calçadão da beira mar, dependente da ação de munícipes para a conservação que a prefeitura deveria fazer, foi tema negativo da temporada

DEIXE UMA RESPOSTA