Foi dada a largada

Nesta semana o PSL de Navegantes, partido do presidente eleito Jair Bolsonaro e do próximo governador de Santa Catarina, Comandante Moisés, realizou reunião para apresentação da executiva municipal. A sigla deu uma demonstração de força e dependendo da avaliação da população em relação aos governos federal e estadual nos próximos dois anos, o grupo pode ter dado passo importante em direção às eleições municipais de 2020. Segundo informações, Camila Luchtenberg, jovem empresária e liderança política em franca formação, pode desembarcar nas fileiras pesselistas. A agremiação deu um banho nas eleições de outubro e aponta já se preparar para o próximo pleito.

Gostei disto

Antes de voltar ao assunto das eleições locais, obrigo-me a destacar que fiquei deveras contente com o anúncio da extinção das Agências de Desenvolvimento Regional, as famigeradas e inúteis ADR’s, já a partir do dia 1º de janeiro em 2019. O cabidão de empregos de Raimundo Colombo terá um fim, o que resultará na sobra de recursos para investimentos em educação, saúde, infraestrutura, enfim, para o benefício da população pagadora de impostos e não mais haverá dinheiro para alimentar essa corja de vagabundos, cabos eleitorais pagos a peso de ouro. Antes de assumir, o Comandante Moisés dá um presente para quem acreditou e sufragou voto nele.

Nosso quintal

Retornando às questões locais e ao pleito de 2020, além da movimentação do PSL, outro fator que chama atenção são as enquetes publicadas em redes sociais. Desta vez um rapaz escolheu nomes da política, vereadores com mandato, e quem mais recebeu intenção de votos foi a opção – nenhum deles, só superada por quem não estava na disputa, o Popeye, pequeno empresário e comandante do diretório local pesselista. É prova cabal de que a população esgotou-se, majoritariamente, da chamada velha política, dos coronéis de outrora. As velhas oligarquias, como a família Cabral, ou os políticos de carteirinha, pelo jeito não terão mais vez, porque a população quer é voz.

Rever os conceitos

Para se livrar da velha política, os navegantinos terão que retirar da mente de alguns poucos, a imagem de que há algo de bom no político que – “rouba, mas faz” – em alusão a ex-prefeito que teve méritos, mas afundou a cidade em dívidas por conta da corrupção, da qual fora cúmplice, quiçá coordenador. Não se sabe ainda quais serão os nomes em disputa, mas o ideal seria não reeleger quase ninguém, fazer um pente fino, deixando apenas quem tenha relevantes serviços prestados à população. Pessoas que fazem de mandatos eletivos uma profissão, precisam desaparecer da Prefeitura e Câmara de Vereadores, junto com os falsos salvadores da pátria, ladrões e bajuladores.

O perfil desejado

Para que a cidade possa prever crescimento, desenvolvimento com sustentabilidade é necessário encontrar um nome que seja progressista. Alguém que, no mínimo, domine outras línguas, assim possa extrapolar fronteiras e sentar-se às mesas, seja onde for, em qualquer parte do mundo, para captar investimentos para a cidade, pois é preciso explorar de forma mais contundente as potencialidades como turismo, terminal portuário e aeroporto. O próximo alcaide, caso haja renovação, precisaria, em meu entendimento, ser alguém da iniciativa privada, um cidadão que tenha história a contar e passado ilibado a defender.

I have a dream

Como Martin Luther King, eu tenho um sonho, de uma cidade, uma Navegantes melhor, sem esta turma que defende o “rouba, mas faz”, com um prefeito que coloque na rua a banda podre do governo passado, aqueles ladrões de dinheiro público. Alguém que tenha coragem para retirar dos armários, todos que existam no paço, as peças que componham a herança maldita de Roberto Carlos de Souza, um governo de aparências que até pareceu bom, mas se mostrou terrível depois. Um município que arrecada mais de R$ 300 milhões por ano não merece nada menos do que isto. Sonhar é possível.

Ele é o cara

Sempre vou contra pessoas que apontam erros, mostram falhas, mas não sugerem as mudanças, então vou arriscar um palpite. Quando sonho com uma Navegantes melhor, penso, por exemplo, em Osmari de Castilho Ribas, o último gentleman do mundo corporativo. Seria a pessoa ideal para conduzir um plano de futuro, de desenvolvimento e prosperidade para os navegantinos. É pena que dificilmente aceite ser candidato, pois precisaria abandonar obrigações profissionais e o ambiente político costuma ser inóspito para pessoas sérias e honestas como ele.

Sim, ele pode

Não estou dizendo que o prefeito Emílio Vieira (PSDB) não tenha capacidade de reeleger-se, apenas acredito que hoje não haja clima na cidade para isto. Ele tem a caneta na mão e pode mudar o futuro, mas precisa tomar medidas urgentes, o tempo urge.

<>SOBE<>

A secretária de Saúde, Marluza Trevisan, não se acovardou diante da retirada de profissionais do Mais Médicos e tem data para remontar as equipes defasadas

<>DESCE<>

Vítima de falsas acusações, orquestradas pela banda podre do governo passado, o vereador Samuel Paganelli (PSDB) pode ter tomado decisão de deixar a política

DEIXE UMA RESPOSTA