Desorganizado

Termina nesta sexta-feira (13) o prazo estipulado pelo Tribunal Superior Eleitoral para que os partidos políticos encaminhem a lista de filiados para o sistema FiliaWEB, o qual disponibiliza na internet a relação de perfilhados em cada agremiação, possibilitando a consulta nos estados e também por cada diretório municipal. Após receber matéria relatando tal formalidade, resolvi dar uma olhada para verificar a situação das siglas com representatividade em Navegantes e descobri que uma das principais, o PMDB, simplesmente não atualiza a sua relação desde 15 de abril de 2016.

É uma estratégia?

O recomendado é que o encaminhamento de tal listagem se dê duas vezes ao ano, porém, não há sanção para o partido que não o fizer, contudo, praticamente todas as agremiações costumam manter o sistema atualizado. A falta de informação recente do PMDB dengo-dengo suscita a dúvida se tal desatualização se daria pelo fato de ter perdido um grande número de filiados recentemente e, consequentemente, ter deixado o posto de maior sigla da cidade para o seu principal rival, o PSDB, que ocupa o poder há mais de nove anos, impondo derrotas sucessivas ao manda brasa.

Fato melancólico

É triste a deterioração do PMDB que foi durante muitos anos o baluarte da política navegantina, detentor do poder por longo período. Hoje o manda brasa não é a sombra do que fora, rachado em pelo menos três grupos e sem condições sequer de manter-se atualizado junto à Justiça Eleitoral. O ruim é que se faz importante a solidez das grandes agremiações, pois assim é possível distinguir situação e oposição, para que um só grupo partidário não assuma o comando da cidade de forma sistemática, fazendo com que a cobrança por resultados e o cuidado com os anseios do povo se releguem ao segundo plano.

Cheiro de tramóia

Uma obra de ampliação na filial local da empresa Lear Corporation, gigante multinacional do setor automobilístico, está parada em função de exigências burocráticas da Prefeitura de Navegantes, mais precisamente da Secretaria de Planejamento Urbano. Fonte da mais alta credibilidade garante que um funcionário do primeiro escalão no paço municipal quisera receber vantagens indevidas no processo de liberação, mas como não fora atendido, resolvera dificultar o trâmite da documentação. Independente da veracidade do relato, esta questão deveria ser tratada com mais seriedade, competência e celeridade.

Ficará no passado?

Alguns dizem que Navegantes é a cidade do já teve, pois muito do que era bom se perdeu ao longo do tempo. Dia destes encontrei um filho da terra que exemplificou tal afirmação com a Fenagro, festa agropecuária que era realizada no Sindicato Rural. O cidadão citou o Navegay como festa da família, os embates futebolísticos entre as equipes do Lodo e da Lama, enfim, foi muito saudosismo que não haveria espaço editorial para tantas lamentações. Entrei no tema porque tomara que em um futuro próximo eu não encontre aquele sábio senhor e ele coloque a Lear Corporation como algo que a cidade, já teve.

Indício de fraude

Há algumas semanas trabalho no levantamento de informações acerca de um possível ilícito cometido por um político(a) navegantino(a), com assento na Câmara de Vereadores. Tudo começou com uma denúncia que recebi e, a partir de então, arregacei as mangas e busquei respostas. Falta um documento para comprovar que o larápio(a) em questão vendou um pedaço de rua, isto mesmo, um espaço público, com a conivência de funcionários da prefeitura. Não seria a primeira vez que esta criatura seria flagrada cometendo ilicitudes, mas em princípio, nunca deixara tantos vestígios.  Em breve, novos capítulos.

Cúmulo do ridículo

O deputado federal Décio Lima (PT), que na eleição de 2014 recebera 3.375 sufrágios em Navegantes, contabilizando 12,19% dos votos válidos, segundo mais votado no município, citado tal qual a esposa Ana Paula Lima como recebedor de propinas na lista da Odebrecht, protagonizou cena dantesca nesta semana, ao pedir para incluir em seu nome a palavra Lula, em alusão ao bandido condenado, preso por corrupção e lavagem de dinheiro. É inacreditável, mas o eleitorado navegantino joga fora a oportunidade de eleger pessoas decentes, preferindo confiar em gente, que em minha opinião, não vale o chão onde pisa.

Mais um exemplo

Raimundo Colombo (PSD), outro fenômeno de votos na cidade, que conquistara no pleito de 2014, 16.463 sufrágios, totalizando 57,73% da preferência do eleitorado, também denunciado por supostamente ter recebido propinas, fora alvo esta semana de um pedido da Procuradoria Geral da República para que tenha seu processo enviado para a Justiça Federal de Santa Catarina, por ter deixado o posto de governador. A demanda judicial, em função do foro privilegiado inerente ao cargo, está no Superior Tribunal de Justiça.

Urna não é pinico

Resta ao eleitorado navegantino ter consciência e não cometer este tipo de descalabro na eleição de outubro. Colombo e Décio serão candidatos, ambos querem, acima de tudo, manter o foro privilegiado para não serem julgados em instâncias mais céleres e confiáveis da Justiça. Deixar esta turma desempregada significa dar uma resposta com a única arma que a população possui contra a corrupção, o voto.

DEIXE UMA RESPOSTA