Notícia da hora

Na primeira coluna do ano, nada como iniciar com uma informação de bastidor que deve movimentar o ambiente político navegantino em 2018. Em virtude da falta de representatividade de nosso município e da região como um todo, o empresário Russuel de Campos Tavares, popularmente conhecido por Russo, sócio proprietário de um dos maiores e melhores restaurantes da cidade, o Aconchego, está com boa disposição para brigar por uma vaga na Assembleia Legislativa de Santa Catarina, podendo lançar pré-candidatura a deputado estadual com vistas às eleições de outubro.

O cara é bom

Empresário de sucesso, cidadão temente a Deus e religioso praticante, trata-se de um bom pai e marido, além de possuir qualidades praticamente inexistentes na política atual, boa índole, caráter e biografia sem máculas. Hoje está filiado ao PSB, mas caso resolva realmente postular o cargo eletivo, é provável que opte por nova sigla, devendo iniciar tratativas para conseguir emplacar o nome na disputa. O passarinho que trouxe este furo de reportagem garante que há bala nesta agulha, e que caso a intenção se concretize, seria uma excelente oportunidade para Navegantes ser bem representada.

Setor desassistido

Como não poderia deixar de ser, assim que recebi a informação fui direto à fonte para confirmar esta iminente pré-candidatura. Russo, com atitude típica de quem planeja bem antes de agir, numa estratégia mineira de fazer política, falando pouco e articulando muito, não negou, tampouco admitiu. Mas foi logo explicando que mentiria se dissesse não ter vontade de entrar na vida pública, por um único motivo, poder brigar por um dos mais importantes e ignorados setores da economia dengo-dengo, catarinense e brasileira, o turismo.

Falou tudo

Ainda que a chance de sucesso seja pequena, por ora o marido da dona Marta demonstra sapiência e propriedade no que fala, afirmando que caso alguém não arregace as mangas para lutar pelo setor turístico, muitas portas irão se fechar, inúmeras bocas deixarão de ser alimentadas e a economia navegantina continuará a crescer tal qual rabo de cavalo, para baixo. Russo tem outra vantagem na disputa, é um outsider, alguém de fora da política, portanto, uma cara nova a ser apresentada ao eleitorado. Caso seja candidato, pode contar ao menos com um voto, o meu, pois em 2018, o que eu almejo é mudança.

Absurdo

Na quarta-feira (11), fiquei preso em um engarrafamento nas imediações do terminal de ferry boat, onde perdi mais de 25 minutos para percorrer um trajeto pequeno, entre a Escola Júlia Miranda e as imediações do cartório na avenida João Sacavem. Isto porque o trânsito estava parado na BR 101 e por conta disto, um número enorme de motoristas estava optando por fazer a travessia Itajaí/Navegantes e vice versa pela balsa. Ocorre que quem manda no trânsito naquela área, não é o poder público dengo-dengo, mas sim a concessionária que administra o serviço marítimo.

O que explica isto?

É inacreditável que uma empresa privada possua todo este poder, para privilegiar o usuário do ferry boat, em detrimento do cidadão navegantino, de quem aqui paga os seus impostos e vive o ano inteiro. Em nenhum lugar sério isto seria possível, mas nesta pequena aldeia, infelizmente, manda quem pode, quem tem dinheiro, obedece quem tem juízo, é a máxima local. O sinaleiro naquela área deveria ser programado como qualquer outro da cidade, com temporizadores que determinam um período de verde ou vermelho para cada lado.

Como funciona

O funcionário da empresa privada, que lucra horrores nas costas do cidadão, com um serviço caro e mal prestado, detém o controle do semáforo. Alguém pode me explicar o motivo disto? Enquanto o navegantino, trabalhando, fica parado no trânsito, o turista, em passeio, detém o privilégio do sinal verde. A Empresa de Navegação Santa Catarina, que mudou de nome, nem sei ao certo qual é agora, pois foi apenas uma estratégia – em minha opinião mal feita – de marketing, para ludibriar o usuário, já que nada mudou além da marca, parece ter os políticos catarinenses e locais na mão, talvez no bolso.

Ponte ou túnel, já!

Digo isto porque em 2008, o então deputado federal João Matos, que faz falta em Brasília, garantiu recursos no orçamento da União para a construção de uma ponte ligando Navegantes a Itajaí. Mas os ex-prefeitos Roberto Carlos de Souza e Jandir Bellini não se coçaram para que o projeto saísse do lugar. Bob, há de se lembrar, teria recebido propina da Odebrecht para facilitar as coisas na licitação do serviço de água de nosso município, logo, não é de duvidar que sua inércia na questão da travessia com a vizinha cidade também seja fruto de interesses escusos. Não é uma afirmação, apenas reflexão.

Condenado

O anúncio de uma possível candidatura ao governo de Santa Catarina, do empresário Luciano Hang, dono da Havan, conglomerado que acaba de abrir uma unidade em solo dengo-dengo, gerou muito falatório e controvérsias. O cidadão já foi condenado a pena de reclusão superior a dez anos e multa de mais de R$ 1 milhão, por suposto crime contra o mercado financeiro e lavagem de dinheiro. Em meu modesto, mas sincero entendimento, quem não é honesto como empresário, não será como político.

COMPARTILHAR
Artigo anteriorColuna Pedra no Sapato
Próximo artigoColuna Pedra no Sapato

DEIXE UMA RESPOSTA