Edição 311  – Por Renato Sandrini Jornalista 44.852/SC – Editoria: Opinião

 

Papo reto

Conversei esta semana com um especialista em informática que só fez parecer ainda mais estranha a suposta perda de todos os dados armazenados no servidor da Secretaria de Saneamento Básico. Em primeira análise, corroborada por outras fontes ouvidas, quando ocorre a oscilação de corrente na rede elétrica, o que pode ser danificada é a fonte do computador, não o disco que armazena os dados. De qualquer forma, caso haja prejuízo à memória da máquina, o processo para recuperação das informações é, de certa forma, muito simples.

Bastante suspeito

O que gera ainda mais indignação neste episódio e coloca uma pulga atrás da orelha deste néscio e flácido caça letras é que o sumiço de todos os dados da Sesan se deu concomitantemente à denúncia feita pelo Ministério Público de que haveria manipulação no sistema de gerenciamento das faturas de água. É uma coincidência horripilante e dura de engolir. O que mantém a suspeição que paira sobre esta mal contada história é a narrativa de especialistas de que a desculpa de oscilação da rede elétrica não é alicerçada em elementos fáticos.

Quem paga é o povo

Pior de tudo, é que a conta desta fatura foi deixada para a população. Vamos supor que seja verdade este episódio da perda de dados do servidor. Eu tenho cobrança na Caixa Econômica Federal, mesmo banco que cobra as faturas de água. Se tenho dúvidas a respeito do recebimento dos boletos, via sistema consigo receber um relatório, ou seja, não haveria necessidade de assustar os consumidores com mensagens de atraso nas faturas aliadas ao aviso de corte, bastaria solicitar as informações ao agente bancário encarregado pelo serviço de cobrança e estaria tudo resolvido.

O resultado é este

Vou ficar rouco de tanto repetir. Não há explicação para um vereador eleito assumir um cargo na administração municipal, se o salário é o mesmo na Prefeitura e na Câmara de Vereadores. Quando largam o Legislativo para mamarem em uma teta no Executivo, o fazem movidos por um mau propósito, de levarem vantagens extras indevidas, sejam elas pecuniárias ou eleitoreiras. Valmir Cesar Francisco, vulgo Chero, enganou seus eleitores e presta um péssimo serviço à sociedade, sentado em uma cadeira para a qual não possui qualificação técnica suficiente. A pergunta que não cala. Até quando?

Tem maracutaia aí

A banda podre que atua na Prefeitura de Navegantes já dá os primeiros passos para se apoderar de todo o dinheiro que a ex-secretária de Educação, Regina Célia Correia, economizou nos últimos meses. Uma proposta apresentada e aprovada na Câmara de Vereadores visa a instalação de câmeras de monitoramento dentro de todas as salas de aula da rede municipal. Trata-se de um investimento na casa das centenas de milhares de reais. Antes de sair do papel, já haveria um responsável para assumir tal serviço, a Minister, empresa da família do ex-deputado Nelson Goetten, aquele que foi preso em um escândalo sexual.

Fatura antiga

A estratégia da instalação das câmeras teria por pano de fundo o pagamento de uma conta deixada para trás, a qual envolveria doações para candidatos a vereador nas eleições de 2016. Se as suspeitas se confirmarem, será fácil identificar, basta a Minister conseguir este contrato, que segundo minhas fontes, possui cartas marcadas. Vale ressaltar que a esposa de um dos proprietários da empresa é servidora comissionada da Secretaria de Educação, o que reforça a necessidade de um olhar atento a esta empreitada, pelo visto capitaneada pela banda podre.

Ela não tem culpa

Importante frisar que não há, por parte deste colunista ou de suas fontes, nenhuma suspeita sobre a conduta da secretária de Educação, Graziela Cristiane Corrêa, pessoa de imagem e índole irretocáveis. Porém, a gestora da pasta está mais ligada e concentrada à área pedagógica, enquanto o financeiro está sob monitoramento da Secretaria de Governo, seio da quadrilha que atua no Executivo. Por isto as negociatas teriam surgido para a implantação das câmeras neste contrato de cifras quase milionárias. Como escrevi anteriormente, será fácil descobrir se é verdade ou não, pois o tempo dirá.

Pirotecnia

Recebi um e-mail assinado por um passarinho multicolorido, que faz ninho na Secretaria de Assistência Social, relatando até certo constrangimento com uma programação marcada para acontecer na próxima segunda-feira (13), para celebrar o Dia Mundial da Gentileza. Minha fonte, servidora efetiva da pasta, não é, de forma alguma contra o festejo de tal efeméride, porém, ressalta que um dos itens primordiais que deveriam ser disponibilizados pela secretaria, cestas básicas, estão em falta desde o início do ano.

Não deve ser assim

Faço coro ao lamento de meu pássaro informante, porque acredito que a maior gentileza possível, seria a Assistência Social distribuir cidadania, a qual inexiste com a barriga de um cidadão vazia. Entregar balas e chocolate em uma data comemorativa enquanto falta o básico é, em meu entendimento, fazer politicagem, na contramão da implantação de políticas sociais que visem à redução da fome e do sofrimento da população realmente carente. O povo precisa do que lhe é devido de fato, não de migalhas e/ou esmolas.

2 COMENTÁRIO

  1. Sandrini, bom dia! Quero parabenizá-lo pelo excelente trabalho que você vem fazendo junto à sociedade navegantina nos presenteando com mais uma edição do jornal O Navegantes. Trazendo até a população informações atualizadas e imparciais no que se refere ao município de Navegantes. Doa à quem doer!

    • Obrigado Rodolfo!
      O reconhecimento vindo do público leitor é o que nos faz persistir nesta batalha de fazer um jornalismo sério e imparcial, independente das dificuldades encontradas a cada dia para conseguir manter esta linha.
      Sua audiência é muito importante!

DEIXE UMA RESPOSTA