O Aeroporto Internacional Ministro Vitor Konder, de Navegantes, está oficialmente listado na sexta rodada de concessões dos aeroportos brasileiros. Na segunda-feira (18), foi publicado no Diário Oficial da União o edital de chamamento público nº 02/2019, para apresentação de projetos, levantamentos, investigações e estudos técnicos que subsidiem a modelagem das concessões para expansão, exploração e manutenção de 22 terminais, incluindo o navegantino.

Os 22 aeroportos selecionados estão divididos em três blocos: Bloco Norte, Bloco Central e Bloco Sul, estando o terminal navegantino presente nesse último. Junto dele estão também presentes no pacote os aeroportos de Foz do Iguaçu (PR), Londrina (PR), Bacacheri, em Curitiba (PR), Joinville (SC), Pelotas (RS), Uruguaiana (RS), Bagé (RS) e o Afonso Pena, de Curitiba (PR), sendo este o principal dentre os nove selecionados, que servirá de chamariz para a aquisição. A tática do governo para conseguir entregar todos os terminais à iniciativa privada tem sido juntar aeroportos superavitários, como o da capital paranaense, junto com outros menos atrativos.

Os estudos devem ser entregues em cinco meses após autorização do Ministério da Infraestrutura, mas o prazo pode ser ampliado. Dentre os três blocos, o Sul é o que possui o maior valor de ressarcimento para a empresa que vencer o pregão: R$ 34 milhões. O governo espera que o leilão aconteça em agosto de 2020.

Dinheiro em caixa

Na sexta-feira passada (15), o governo finalizou a quinta rodada de concessões. Foram 12 aeroportos entregues à iniciativa privada, divididos em três blocos. A arrecadação com o leilão chegou a R$ 2,37 bilhões, valor cerca de 10 vezes maior que os lances mínimos estipulados, que somavam R$ 219 milhões, segundo o Ministério da Infraestrutura.

Será reformado

Em paralelo, as obras de reforma e ampliação do aeroporto navegantino ainda continuam de pé, conforme informa a Infraero. A empresa arrematante, Construtora Porto Beton, deu um lance de R$ 47.450.000,00 para realizar os trabalhos, que terão prazo de 18 meses para serem concluídos após a assinatura do contrato. A Infraero ainda avalia a proposta. As obras transformarão o espaço atual de 5,2 mil metros quadrados para 13,7 mil metros.

Liba Fronza

Diante do anúncio, o presidente da Associação Empresarial de Navegantes (Acin), Libardoni “Liba” Fronza, diz entender que é necessária a privatização do aeroporto, porém a entidade mantém o posicionamento favorável às obras da Infraero no terminal. “A obra de concessão vai demorar ainda para usufruirmos os benefícios”, disse. Para Liba, é importante que no leilão já estejam listados investimentos futuros para o aeroporto navegantino, para se ter certeza de que não será deixado de lado para priorização de outros terminais dentro do bloco.

DEIXE UMA RESPOSTA