Durante o verão, período mais quente e mais chuvoso do ano, aumenta o número de acidentes com animais peçonhentos, tanto em áreas urbanas quanto rurais. A Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina (Dive/SC), vinculada à Superintendência de Vigilância em Saúde (SUV), é o órgão responsável por orientar a população em relação aos riscos dessa época.

“A maioria dos acidentes é registrada no verão, porque existe um aumento da realização de atividades ao ar livre, como ir à praia e fazer trilhas, e de limpezas de habitações, quintais e terrenos, coincidindo com o período em que há deslocamento dos animais peçonhentos para alimentação e reprodução”, explicou Alexandra Pereira,  médica veterinária da Gerência de Vigilância de Zoonoses da Dive/SC. Além disso, ela também alerta que em cidades como Navegantes, afetadas por chuvas com alta intensidade e grande volume pluviométrico, resultando em enchentes frequentes, o risco também é grande, pois esses animais são obrigados a deixarem seus habitats em busca de um novo local, refugiando-se, muitas vezes, dentro das casas.

Em solo navegantino, a preocupação é com o escorpião amarelo, animal encontrado em grande número em alguns bairros.

Em Santa Catarina

No Estado, na temporada de verão de 2018 (entre os meses de dezembro de 2017 a março de 2018), foram notificados 4.108 acidentes por animais peçonhentos, o que representa 44,7% do total notificado entre dezembro/2017 a dezembro/2018. Sendo 63,9% deles causados por aranhas, seguidos pelos acidentes por abelhas (10%), lagartas (9,9%), serpentes (7,3%) e por escorpiões (4,1%).

Águas vivas

As lesões por águas vivas registradas pelo Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina chegaram a 37.863 ocorrências durante a Operação Veraneio 2017/2018. Na Operação Veraneio 2018/2019, até esta semana, quarta-feira (16), já haviam sido registradas 28.658 lesões por água viva.

Órgão estadual

No caso de picadas ou mordeduras, a vítima deve procurar atendimento médico no serviço de saúde mais próximo nas primeiras horas após a ocorrência. A referência para atendimento de acidentes por animais peçonhentos no estado é o Centro de Informação e Assistência Toxicológica de Santa Catarina (CIATox/SC), com funcionamento 24 horas pelo telefone 0800 643 5252.

Em Navegantes

Já a Secretaria de Saúde de Navegantes, desde o final do ano passado tem intensificado os trabalhos de captura do escorpião amarelo em Machados, bairro que acumula o maior número de registros do aparecimento desse aracnídeo.

O que fazer?

O diretor do departamento responsável, a Vigilância Ambiental, Eduardo Leal explica que a equipe pode ser acionada para atendimento em toda a cidade. Ele alerta que ao encontrar um escorpião no quintal de casa, a pessoa deve procurar o órgão municipal, o que pode ser feito diretamente pelo telefone 3185-2371, ou no prédio anexo ao Posto de Saúde Central – setor responsável pela prevenção de acidentes, inspeção e capturas.

Perigo noturno

Eduardo Leal também explicou que o perigoso escorpião amarelo costuma procurar alimento no período noturno e utiliza-se do ferrão venenoso para defesa. “Esses animais não aparecem durante o dia, eles saem das tocas a noite, por isso, a necessidade do uso da lanterna ultravioleta para a captura”, esclareceu o diretor da Vigilância Ambiental.

Entulhos e lixos

A orientação da Secretaria de Saúde de Navegantes é que a população deve evitar deixar entulhos e lixos no quintal e precisa ficar atenta em muros sem reboco, madeiras empilhadas, ralos, enfim, locais escuros e úmidos.

Em caso de picadas

No caso de a pessoa ser picada, deve imediatamente procurar o Hospital de Navegantes para receber o soro antiescorpiônico, utilizado para combater o veneno do escorpião amarelo.

DEIXE UMA RESPOSTA